Esporte, quarentena, livros e filmes. Shilton é o entrevistado da semana



O currículo do entrevistado da semana é de respeito. Aos 37 anos, o pivô Shilton Santos é dono de três títulos do Novo Basquete Brasil (NBB), com duas conquistas pelo Flamengo e uma pelo Bauru, uma Olimpíada Militar e dois Mundiais Militares. Depois da primeira passagem pelo Clube, nas temporadas 2014/15 e 2015/16, o atleta voltou a vestir a camisa do Minas na temporada 2019/20.

Ao lado de nomes experientes e vitoriosos, como Alex, Leandrinho, Davi Rossetto, Gui Deodato e Tyrone, Shilton era um dos jogadores da equipe formada para lutar pelo título da principal competição do basquete nacional. Porém, a Covid-19 mudou os planos do Minas e de todas as equipes que disputavam o torneio. No início de maio, os participantes do NBB optaram, em reunião realizada por meio de videoconferência, pelo cancelamento da competição. Com isso, a temporada 2019/20 terminou sem um campeão conhecido.

Ao lado da família, Shilton está em Belo Horizonte e tenta manter o equilíbrio durante a quarentena. Na Entrevista da Semana, o camisa 6 falou sobre a rotina no período de isolamento social, o que tem feito quando não está cuidando da parte física, o sentimento com o cancelamento da temporada do NBB e muito mais.

Assessoria de comunicação – Como está a sua rotina durante esse período de quarentena? Está mantendo uma agenda com horário definido para atividades?

Shilton – A rotina está bem diferente do que estou acostumado. Apesar de tudo, tentamos manter um horário mais definido, porque os meninos têm aula pela manhã, estão tendo aula online. Normalmente, eu consigo fazer um treino de corrida pela manhã. Tenho utilizado a área da garagem do meu prédio para fazer esse tipo de treinamento. A gente se ocupa muito mais com o horário dos meninos, pela manhã, por eles terem aula. À tarde, a gente faz outras coisas. Só saio de casa quando há necessidade. Ao fim do dia, brincamos com jogos de tabuleiro e assistimos séries e filmes. Essa parte tem sido uma constante nesta quarentena.

Assessoria de comunicação – Você é uma pessoa que admite gostar muito de filmes, séries. O que assistiu nos últimos dias e recomenda aos outros?

Shilton – Eu adoro filmes. Tenho aproveitado para assistir alguns que eu não tinha conseguido ver no cinema, mas agora eles estão em alguns streamings. Também tenho assistido alguns repetidos, porque é sempre bom ver os clássicos. A série do Michael Jordan eu recomendo, é excelente. E não posso esquecer de recomendar aqueles que são considerados clássicos, aqueles que, realmente, têm uma história para contar. A Lista de Schindler e Um Sonho de Liberdade são fantásticos.

Assessoria de comunicação – Tem aproveitado para ler? É uma atividade que você gosta?

Shilton – Gosto muito de ler. Voltei a ler o livro do Michael Jordan, o Nunca Deixe de Tentar, que é uma obra que a gente tem aqui em casa. Também estou lendo O Cortiço, que é um livro antigo e que eu gosto muito. Nesta quarentena, eu me ocupei bem fazendo cursos de adestramento. Eu gosto muito e é bom para aproveitar o tempo que estou em casa.

Assessoria de comunicação – Como é cuidar da parte física durante a quarentena? É mais complicado para um atleta de alto rendimento?

Shilton – Essa, sem dúvida, é a pior parte. O lado físico fica comprometido. Não tenho academia, não tenho quadra no prédio onde moro. É a parte mais complicada, porque faltam os aparelhos, os acessórios necessários para cuidar. Eu tento fazer as atividades da melhor forma possível, mas, certamente, é a parte mais complicada para o atleta. Sei que é difícil para todos, mas para o atleta de alto rendimento é o maior período que eu passei longe de uma academia.

Assessoria de comunicação – Qual foi o sentimento depois do encerramento do NBB? Você ficou frustrado?

Shilton – O sentimento é de frustração pura, porque a equipe vinha em uma crescente, a gente vinha melhorando o entrosamento, melhorando a constância defensiva, tendo crescimento em um momento que é considerado ideal, que é próximo da conclusão do segundo turno e início dos playoffs. Apesar de saber de tudo, das condições que estamos enfrentando, fica um sentimento de frustração.

Assessoria de comunicação – E como fica cabeça do atleta nesse período de incerteza?

Shilton – Nesse sentido, a cabeça está boa. Apesar da preocupação, eu tenho fé que esta situação vai passar. Tenho convicção que nós vamos tomar mais cuidado, prestar mais atenção na higiene. Apesar da incerteza, isso vai passar. Tenho plena confiança que a próxima temporada não vai ser afetada.

Assessoria de comunicação – Quem é seu ídolo no basquete? Por quê?

Shilton – Meu ídolo máximo é o Michael Jordan. Não só pelas acrobacias, pelo basquete, mas principalmente pelo o que essa nova série vem demonstrando. Um cara de convicção, que gostava de treinar, que se entregava ao máximo pelo time. Um cara que não pensou duas vezes para diminuir a pontuação para ganhar, para vencer. Um jogador com objetivo e foco para melhorar, o tempo todo. Esse tipo de dedicação faz dele o meu ídolo no basquete.

Assessoria de comunicação – Você sempre admitiu ser um grande fã de artes marciais e é faixa azul de jiu-jitsu. Pretende seguir nos tatames quando deixar as quadras?

Shilton – Sempre fui fã das artes marciais. Eu pratiquei caratê na infância, fiz alguns meses de kung fu. Hoje, eu sou praticante da arte suave (jiu-jitsu). Sem dúvida, tenho como objetivo. Tenho certeza que eu vou ser faixa preta, provavelmente levando mais tempo que os demais. Depois que eu deixar as quadras, jiu-jitsu e musculação serão os esportes que eu vou praticar, só que com mais regularidade.

Assessoria de comunicação – Tentando fazer um exercício de futurologia, como acha que essa pandemia pode influenciar os rumos do esporte mundial?

Shilton – Eu acredito que nós vamos mudar os hábitos, antes dos treinos e dos jogos, depois das partidas. Devem mudar a maneira de higienização de quadras, para atletas, alunos, fãs, para aqueles que trabalham nos jogos. Também acredito na mudança de alguns calendários, mas acredito que a mudança mais visível será na mudança da higienização antes e depois dos eventos.

De bate pronto...

Praia ou Serra?
Shilton – Serra... mato... sem dúvida.

Sertanejo ou MPB?
Shilton – Sertanejo, sou um cara do meio do mato.

Churrasco ou Pizza?
Shilton – Churrasco.

O melhor herói dos quadrinhos é...
Shilton – Homem-Aranha. Alguém tem que dúvida?

O maior título da carreira...
Shilton – NBB 9 e Olimpíada Militar.

O cara mais engraçado que conheceu no esporte...
Shilton – Douglas Viegas (ex-jogador de basquete).

Minha vida sem basquete seria...
Shilton – Sem graça e totalmente sem sentido. 

Patrocinador: CVC
Patrocinador: Quatree
Fornecedor de Material Esportivo: Icone
Apoio: Coleguium
Apoio: 
O2 Lavanderia

Siga as redes sociais oficiais do Basquete do Minas:
Facebook: 
/mtcbasquete
Instagram: @mtcbasquete