Treinos, leitura e foco total nos Jogos Olímpicos. Nadador Fernando Scheffer é o entrevistado da semana



Ele nasceu no interior do Rio Grande do Sul, onde iniciou a carreira, e, quando criança, seu único objetivo no esporte era apenas ser melhor do que o irmão mais velho. Porém, a competitividade e a determinação levaram o nadador Fernando Scheffer ao lugar mais alto do pódio no Campeonato Mundial da China, em 2018, no revezamento 4x200m livre, e com direito a recorde mundial da prova. Atualmente, Scheffer coleciona títulos nacionais e internacionais e é o recordista sul-americano dos 200m livre (1m45s51). Medalhista também nos Jogos Pan-americanos de Lima, em 2019, o nadador minastenista é o entrevistado da semana. No bate-papo, Scheffer relembra os momentos mais marcantes da carreira e garante foco total em um próximo objetivo: classificar para os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Assessoria de Comunicação – Como tem sido os treinos e atividades em casa? O que é possível fazer para estar próximo de um dia a dia de treino normal?

Fernando Scheffer – Estamos tendo um acompanhamento de perto pelos profissionais do Clube. São treinos de manutenção, pois o mais importante agora é não perder o condicionamento físico. Eu aluguei uma bicicleta indoor, para fazer os treinos aeróbicos, e também tenho alguns halteres e anilhas para fazer treinos de força na garagem de casa. Também temos trabalho preventivo e postural toda semana.

Assessoria de Comunicação – Você comentou que tem lido bastante nessa quarentena. Quais livros você tem lido e recomenda para os leitores?

Fernando Scheffer – Tenho guardado algumas horas no dia para ler e isso tem me ajudado bastante a manter a mente sã. Os livros que eu mais gostei nesse meio tempo foram “Essencialismo” (Greg McKeown) e “Ponto de Inflexão” (Flávio Augusto).

Nadador minastenista é um dos principais nomes da natação brasileiraNadador minastenista é um dos principais nomes da nova geração da natação brasileira / Foto: Ricardo Sodré/MTC

Assessoria de Comunicação – Conte como foi a sua trajetória na natação. Como foi o início da sua carreira? Quando percebeu que queria ser nadador profissional?

Fernando Scheffer – Comecei a nadar em uma academia em Canoas (RS), com 7 anos. Aos 13, recebi a proposta de defender o Grêmio Náutico União, em Porto Alegre. Sempre fui muito competitivo, meu irmão mais velho também nadava, e eu sempre quis ser melhor do que ele. Comecei aos poucos e depois fui ganhando destaque, mas, foi em 2015, quando classifiquei para minha primeira seleção internacional, que decidi que poderia viver desse esporte. Em 2018, vim para o Minas Tênis Clube e, nesses dois últimos anos, obtive meus melhores resultados da carreira. Fui campeão dos Jogos Pan-americanos nos 200m e 4x200m livre e vice-campeão nos 400m livre; e campeão e recordista Mundial nos 4x200m livre, em piscina curta.

Assessoria de Comunicação – Os nadadores brasileiros estavam bem próximos da seletiva olímpica quando tudo parou. Em seguida, os Jogos Olímpicos de Tóquio foram adiados em um ano. Como você vê esse tempo a mais?

Fernando Scheffer – Estávamos todos prontos para disputar a seletiva na melhor fase da vida. Esse adiamento foi uma decisão acertada para o momento que vivemos. Acredito que todos nós teremos tempo para voltarmos aos treinos, recuperarmos nosso condicionamento e chegar novamente até a nossa melhor fase no próximo ano. Acredito que, agora, o mais importante é viver cada dia de uma vez e estar com a mente pronta para os treinos quando tudo voltar ao normal.

Assessoria de Comunicação – Você foi campeão e recordista mundial com o revezamento 4x200m livre (6m46s81), no Mundial de Piscina de Curta de Hangzhou, na China, em 2018. Como foi para você alcançar esse feito representando a seleção brasileira?

Fernando Scheffer – Esse foi um dos momentos mais emocionantes da minha carreira. Nosso revezamento era o mais jovem da competição e não éramos nem de perto os favoritos. Todos os três primeiros colocados bateram o recorde, o que mostra que a prova foi extremamente forte. Ouvir o Hino Nacional no alto do pódio é um marco na vida de qualquer atleta. Acredito que essa prova ainda vai trazer grandes resultados nas competições futuras.

Fernando Scheffer com a medalha mais especial da carreira: o ouro do MundialFernando Scheffer com a medalha mais especial da carreira: o ouro do Mundial / Foto: Ignácio Costa/MTC

Assessoria de Comunicação – As suas principais provas são os 200m livre, em que você é o atual recordista sul-americano (1m45s51), e os 400m livre. Pensando em se classificar para os Jogos Olímpicos, como você vê o nível dessas disputas?

Fernando Scheffer – As duas provas estão subindo muito de nível nesses últimos anos. O recorde sul-americano dos 400m livre já baixou três segundos nos últimos dois anos. Já a prova de 200m livre tem sido muito visada também por causa do revezamento, que tem muitas chances de bater de frente com as potências mundiais. Isso tudo é muito saudável e só faz crescer o nível técnico da nossa seleção.

Assessoria de Comunicação – Você esteve representando a seleção brasileira em todas as últimas grandes competições internacionais (mundiais, Jogos Pan-americanos, sul-americanos, etc). Como se planeja no seu dia a dia de treinos, dentro e fora das piscinas, para se manter em alto nível?

Fernando Scheffer – O planejamento não é só meu. Tenho grandes profissionais junto comigo. Temos técnicos, auxiliares, preparador físico, fisioterapeuta, massoterapeuta, médica, e todos nós trabalhamos juntos para chegarmos ao melhor resultado possível. Tento absorver o melhor de todos, do mesmo jeito que dou o meu melhor todos os dias. O resultado é apenas a consequência do trabalho bem feito de todos juntos. Sou muito grato de poder contar com essa equipe a temporada inteira.

Assessoria de Comunicação – Quais são os seus planos profissionais e pessoais para o futuro?

Fernando Scheffer – No momento, estou tentando viver um plano de cada vez, ainda mais nesse período de incertezas em que estamos vivendo. O próximo plano é a seletiva olímpica no ano que vem, e se tudo der certo, disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio.

Scheffer conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata nos Jogos Pan-americanos de Lima / Foto: COBScheffer conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata nos Jogos Pan-americanos de Lima / Foto: COB

Assessoria de Comunicação – Como acha que essa pandemia pode influenciar os rumos do esporte mundial?

Fernando Scheffer – Acredito que, em curto prazo, teremos uma maior discrepância no nível técnico, mas, a longo prazo, as coisas vão se normalizar aos poucos. Acho que o mundo todo está enfrentando a mesma situação e o mais importante é se adaptar melhor e mais rápido.

Assessoria de Comunicação – Quais conselhos e dicas você daria para quem está começando na natação?

Fernando Scheffer – Quando eu comecei, eu não era o maior, nem o mais forte e nem o mais rápido. Mas eu tentava fazer tudo da melhor forma que eu pudesse. Eu tentava escutar tudo que os técnicos falavam. E eu demorei vários anos para ter resultados expressivos, portanto, acho que o mais importante é ter paciência e não desistir nos primeiros tropeços.

De bate-pronto...

Um ídolo no esporte?
Fernando Scheffer – Ayrton Senna.

Uma prova inesquecível?
Fernando Scheffer – 4x200m livre, no Mundial da China 2018, em que fui campeão e recordista mundial.

Se não fosse nadador. O que seria?
Fernando Scheffer – Não faço ideia, mas gostaria de administrar alguma loja ou empresa.

Palmar ou pé de pato?
Fernando Scheffer – Pé de pato.

Praia ou Cachoeira?
Fernando Scheffer – Praia.

Pizza ou Churrasco?
Fernando Scheffer – Churrasco.

Siga as redes sociais oficiais da Natação do Minas:
Facebook: /mtcnatacao
Instagram: 
@mtcnatacao